ÚLT POSTS

PUBLICIDADE



É sempre bom comemorar cada vitória, cada recomeço, por mais simples que seja, por menor que seja. Ontem eu cortei o meu cabelo e me veio em mente algumas coisas que eu nunca havia pensado antes.

Em maio ou junho de 2020, não lembro ao certo a data, eu decidi cortar o meu cabelo bem curto. Meu cabelo estava na minha cintura, e eu estava ansiosa e confinada por causa da pandemia, então, eu decidi mudar. Peguei a tesoura, cortei sozinha, sem nenhum conhecimento e meu marido me ajudou a ajeitar. No momento em que eu meti a tesoura, eu fiquei com medo de me arrepender, mas já era tarde e não tinha como voltar atrás, mas sinceramente o resultado final foi libertador pra mim.

Quando eu morava no Brasil, o meu cabelo não desenvolvia, não crescia e por muitos anos eu usei mega hair, inclusive eu morria de vergonha de assumir para as pessoas que meu cabelo era longo por causa do mega hair. De alguma forma, mesmo que indiretamente, eu sentia que mulher só era bonita de cabelo longo, eu me sentia feia de cabelo curto, eu me sentia diferente das outras meninas. Fazia de tudo para o meu cabelo crescer e lógico que isso não acontecia, era frustrante. 

Quando eu me mudei para os EUA em janeiro de 2018, eu passei a me auto conhecer como nunca havia antes, passei a deixar de lado todos padrões que eu tinha e que não se encaixavam mais a mim, como acreditar que certas coisas me definiam como mulher, e uma dessas coisas foi o meu cabelo. Não me entenda errado, eu AMO cabelo longo e amo quando meu cabelo está longo, mas hoje em dia eu também amo mudar, e mudar fez com que eu entendesse que há varias versões estéticas de mim e que tudo bem, que isso não muda meu caráter, minha personalidade ou nada do tipo. Apenas faz com que eu me sinta mais viva.
E eu comemoro esse desapego porque eu entendi que as minhas vontades são mais importantes do que qualquer pensamento e crença limitante que eu tinha dentro de mim. 

Há umas semana atrás mais ou menos, eu vi um post em um instagram que eu amo sobre os padrões que a sociedade nos impõe como mulher. Era no perfil da Fernanda Neute, e no post ela dizia que ela não faz mais as unhas dela com esmalte tem anos, porque ela simplesmente gosta das unha limpinhas sem esmalte nenhum, mas infelizmente uma parte da sociedade ainda vê uma mulher sem unhas feitas como relaxada, ou um mulher de cabelo curto não tão sensual como as outras.

Falando por mim e por todas as outras que tem a linha de pensamento que eu tenho, eu não quero ser mais mulher ou menos mulher por causa de um cabelo, uma maquiagem, eu quero ser mais eu, conhecer mais de mim, ser feliz do jeito que me faz bem. Eu quero que as pessoas me notem pela minha inteligência, minha personalidade, e por tudo que eu tenho pra oferecer ao invés de beleza.

Tenham um ótimo domingo :)


COMPARTILHE

Comente pelo Facebook!

2 Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *